Legionella em 2 minutos

O que é, Quais os sintomas, Onde existe a bactéria Legionella, Como se transmite, Quem está em risco, Tratamento, A doença em Portugal – Programa de Vigilância Epidemiológica Integrada.

 

CARTAZ A LEGIONELLA EM 2 MINUTOS

 

Doença dos Legionários

Programa de Vigilância Epidemiológica Integrada

A doença dos legionários é uma pneumonia atípica grave, causada por bactérias do género Legionella. A infecção transmite-se por via aérea (respiratória), através da inalação de gotículas de água (aeróssois) ou mais raramente por aspiração pulmonar de água contaminada com a bactéria. A Legionella para além de se encontrar nos ambientes aquáticos naturais (como lagos e rios), também pode colonizar os sistemas de abastecimento de água das redes prediais. O agente da infecção pode encontrar-se na água quente sanitária, nos sistemas de ar condicionado (torres de arrefecimento, condensadores de evaporação e humidificadores), nos aparelhos de aerossóis, nas piscinas, nos jacuzzis e nas fontes decorativas.

A doença atinge preferencialmente adultos com mais de 50 anos de idade e ocorre mais frequentemente associada a indivíduos com exposição tabágica, e com doença crónica concomitante (diabetes mellitus, doença pulmonar crónica, doença renal, doença neoplásica e imunosupressão).

A doença dos legionários descrita pela primeira vez em 1979 (publicação em boletim da OMS) tem vindo a adquirir cada vez maior importância, registando-se em Portugal, um aumento de incidência de 0,1 casos por 100 000 habitantes em 1997 para 0,5 casos por 100 000 habitantes em 2005.

Incluída na lista das doenças de declaração obrigatória desde 1999 (Portaria n.º 1071/98, de 31 de Dezembro), a notificação clínica de um caso (provável ou confirmado) é da responsabilidade de todos os médicos quer exerçam a actividade no Serviço Nacional de Saúde, quer no sector privado, e tal como nas outras doenças de declaração obrigatória, esta deve ser efectuada através do impresso modelo n.º 1536 (Exclusivo da INCM E.P.), em tempo útil, à autoridade de saúde da área de residência do doente.

Até 2000 só existia registo de casos esporádicos de doença dos legionários na região norte, tendo sido descrito o primeiro surto da doença em Agosto desse ano (Correia AM, Gonçalves G, Reis J, Cruz JM, Castro e Freitas JA. An outbreak of legionnaires’ disease in a municipality in northern Portugal. Euro Surveill. 2001;6(7)).

Tendo-se revelado insuficiente a monitorização da doença dos legionários apenas pelo sistema de notificação das doenças transmissíveis de declaração obrigatória, em 2004, foi criado o Programa de Vigilância Epidemiologia Integrada da Doença dos Legionários, através da Circular Normativa N.º 05/DEP de 22/02/2004 da Direcção-Geral da Saúde. Trata-se de um programa de vigilância epidemiológica integrada, que prevê a notificação clínica dos casos às autoridades de saúde e a notificação laboratorial ao Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (que coordena esta componente com a colaboração do Laboratório de Microbiologia de Hospital de Santa Cruz e o Departamento de Microbiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa).

Para investigação clínica e eventual notificação, são alvo deste programa, todos os casos de infecção respiratória aguda em que, por razões clínicas e/ou epidemiológicas, se coloque a hipótese diagnostica de doença dos legionários.

Para a investigação laboratorial de todos os casos clínicos devem colher-se amostras de urina para pesquisa de antigénio de Legionella pneumophila serogrupo 1, duas amostras de sangue (com intervalo mínimo de 10 dias) para pesquisa de anticorpos no soro e sempre que possível, antes de iniciar antibioterapia, uma amostra de expectoração (ou de secreções brônquicas, ou de lavado bronco-alveolar, ou de líquido pleural, ou de biópsia pulmonar) para exame cultural.

À notificação dos casos segue-se obrigatoriamente, a respectiva investigação epidemiológica, da responsabilidade da autoridade de saúde, através da aplicação de um inquérito epidemiológico com duas componentes: o estudo epidemiológico para confirmação do caso, sua melhor caracterização e procura de casos relacionados, e o estudo ambiental completo de possíveis fontes de infecção, como consta da Circular Normativa N.º 06/DT de 22/02/2004, da Direcção-Geral da Saúde.

Na Região Norte foram notificados 9 casos de doença dos legionários em 2002, 34 em 2003, 17 em 2004, 31 em 2005 e 44 em 2006, sendo o Porto o distrito com maior número de casos notificados ao longo dos quatro anos referidos.

Portugal integra o Grupo de Trabalho Europeu para o Estudo de Infecções por Legionella (EWGLI – European Working Group for Legionella Infections) e é um dos centros colaboradores da Rede Europeia de Vigilância da Doença dos Legionários associada a Viagens (EWGLINET – The European Surveillance Scheme for Travel Associated Legionnaires’ Disease).

Fonte: ARS NORTE – Administração Regional de Saúde do Norte, I.P – SNS

http://portal.arsnorte.min-saude.pt/portal/page/portal/ARSNorte/Conte%C3%BAdos/Sa%C3%BAde%20P%C3%BAblica%20Conteudos/Doenca_Legionarios_programa.pdf